sexta-feira, janeiro 23, 2009

Ilhas Canárias

Estávamos a 30 de Maio de 1966. A bordo do NM "Niassa", de corpo enjoado com o suave balouçar das ondas e ferido na alma, a caminho de futuro e destino incertos, com centenas de outros "gaiatos" arrebanhados à doce irresponsabilidade de uma juventude fugaz de mais para poder ser verdadeira, senti que tinha da sair daquele apertado cubículo a que chamavam camarote - ah! os jovens "magalas" apinhados nos porões de carga, sem respeito pela sua dignidade!!! - para viver o deslumbramento do sol nascente sobre um Oceano sem fim. Subi ao convés, apertando contra o peito um pequeno "transistor" a pilhas, pois a música era a única companhia que ali desejava. Ou talvez não... Encostado à amurada, deliciei-me na contemplação daquela imensa massa de água, só água... O mar!!! Sempre gostei do mar. E, ao amanhecer, tem um aspecto grandioso, quase transcendente, na glorificação do Criador. Já muito afastados de terra "civilizada", ia sintonizando o pequeno rádio, mas só ruídos ou músicas que não entendia me respondiam. Vivíamos ainda no tempo em que a própria emissora oficial abria à 7 horas e encerrava à meia-noite, com o Hino Nacional. E a RTP, idem. De repente, que é isto? Com alegria e movimento, aquele "salero" que só um "passo doble" é capaz de dar a uma dança, dos altifalantes do meu companheiro saltam vibrantes e cristalinas as notas do "Islas Canárias". Foi um momento emocionante e bem vivido. Também naquelas encantadoras ilhas que os portugueses já conheciam de antes do Infante D. Henrique havia vida, havia música, alguém "cuidava de mim". Da minha nostalgia. Da minha angústia. Enquanto tive "sinal" não desgrudei do meu "amigo" - havia de estar comigo por mais uns anos . Depois foi o mergulhar profundo até ao Equador, a caminho do calor e da humidade. Para alguns em busca da própria morte. Que lhes era impingida. Sem ser desejada.
Foi esta uma das músicas que escolhi para levar à "Rádio Sim". O tempo, o invencível "inimigo", não deixou que fosse passada. Esse momento inesquecível partilho-o, assim, aqui convosco. A música que ouvi era a da orquestra. Outra está tão bem cantada, a letra é tão bonita que escolho as três. Uma banda, claro. Digam-me. pois, de qual gostaram mais...
http://www.youtube.com/watch?v=JcTcLdeRe1I&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=TtW8Ec8BfVE&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=TdRJwosO8GE&feature=related

2 comentários:

MELITA (LUNA) disse...

Ahahah!!!
A 2ª. encheu-me a alma...e se só pela música não ficasse inebriada..ficaria certamente pelo texto que as antecedeu..das suas memórias delas e do tempo que permanecerão na sua lembrança!!!!
Continue por favor a dar-nos estes textos sempre tão vividos por nós também!!!
Bem haja

Américo Valente disse...

Ah!!!! Como a sua viagem foi tão diferente da minha.
Em 19 de Abril de 1971 embarquei no "Príncipe Perfeito" em viagem comercial, rumo a Angola. Viajei em 2ª classe num camarote, tendo por companhia o "Tristão da Silva Júnior". Na realidade havia toda a espécie de divertimentos (cinema, baile, piscina, etc. Foi uma semana estupenda. O pior veio depois do desembarque...